historias de viagem

[Se você caiu aqui de paraquedas, leia também a PARTE 01 e a PARTE 02]

O livro que ganhei de presente ensinava 7 lições para a realização dos seus sonhos. Eu devorei todos os capítulos em menos de 3 dias e comecei a colocar tudo em prática. Não demorou muito para eu começar a ver as transformações na nossa vida. 2014 não foi um ano de viagens, mas sim um ano de peças chave que aconteceram pra nos guiar para as maiores mudanças que poderiam acontecer na nossa vida. Menos de 1 mês depois daquela conversa no bar de Rosário, eu e o David estávamos fazendo uma festa de chá de casa nova. Enquanto isso estávamos reformando o apartamento dos meus pais, que é onde iríamos morar. Confesso que nessa época tudo o que eu pensava era em viajar, mas morar nessa casa também estava sendo a realização de um sonho. Esse era o apartamento onde eu nasci e passei toda a minha infância. Eu amava aquele lugar e morar ali, mesmo que só por 1 ano, era algo que eu já queria há muito tempo.

O que aconteceu nessa fase de reforma foi muito louco. Nós não tínhamos muito dinheiro, mas de alguma maneira conseguimos montar a nossa casa exatamente do jeito que queríamos. Ganhamos muitos presentes no chá de casa nova, mas também muitas coisas que tínhamos vontade de comprar de alguma forma muito mágica estavam em promoção. Além disso, nessa mesma época a San estava se mudando para o Chile e vendendo as coisas da casa dela. Foi o timing perfeito para comprarmos alguns dos móveis dela para montar a nossa casinha. Todas as sincronicidades já eram primeiros sinais de manifestação depois de ter lido aquele livro.

Na semana em que estávamos nos mudando eu também recebi uma oportunidade pra trabalhar em um escritório de interiores do lado da nossa nova casa. E ainda por cima o salário era quase o dobro do que eu ganhava no emprego anterior! O universo realmente estava nos presenteando com muitas bençãos e nós recebíamos agradecidos.

Nessa época o David tinha uma agência de publicidade e eles também estavam mudando de escritório. Agora eles estavam alugando uma casa inteira onde além da agência, eles teriam um espaço pra co-working e eventos. Nossa vida estava realmente expandindo, e numa velocidade muito rápida! Para inaugurar o novo espaço foi organizado uma noite indiana. A casa inteira estava no clima: havia uma exposição de mandalas, comidinhas e cheirinho de chai no ar, e até eu estava vestida com um sari indiano! Mas a atração principal foi o músico Angelo Esmanhotto, que foi convidado para tocar um instrumento indiano chamado sitar.

Quando a apresentação dele começou, eu sentei em um cantinho e fechei os olhos enquanto ouvia a música. O que aconteceu nesse instante foi surreal! No momento em que eu fechei os olhos, eu não estava mais ali. Eu me vi dentro de uma bolha subindo, atravessando o telhado, indo em direção ao universo. Eu me sentia no meio das galáxias. Enquanto eu flutuava entre as estrelas, parecia que eu não estava sozinha. Tinham alguns seres junto comigo, mas eu não conseguia ver o rosto de ninguém, apenas ouvir uma única frase que ficava se repetindo na minha cabeça: “você precisa estudar yoga, você precisa estudar yoga”. A frase se repetia como um mantra na minha cabeça, mas foi interrompido quando eu comecei a ouvir aplausos. Abri os olhos e vi que o show já tinha acabado. Como assim acabado? Na minha cabeça foi como se tivessem passado 10 minutos! Eu não acredito que eu meditei por mais de 1 hora! Fiquei em choque.

Eu já tinha começado a praticar yoga há quase 2 anos. O que me fez procurar a prática foi uma dor terrível que eu tinha no nervo ciático e uma gastrite nervosa que desenvolvi por conta da ansiedade. Mas apesar da prática constante, eu nunca tinha conseguido meditar de verdade. Sempre tive muita dificuldade em acalmar meus pensamentos e me concentrar. E ali, dessa forma, sem muito esforço, consegui meditar e me deixar ser guiada através da música. Que experiência mais incrível! Agora, mais incrível do que a meditação em si, foi essa frase que apareceu tão enfática na minha cabeça! Estudar yoga? Como assim? Não fazia nem 1 ano que eu tinha me formado como designer de interiores!

Confesso que a medida que eu comecei a fazer yoga, também surgiu uma curiosidade em aprender mais. Eu sempre pedia pra minha professora dicas de livros e materiais pra estudar. Em pouco tempo de prática o yoga começou a me trazer muitos benefícios e eu queria entender melhor sobre esse novo mundo. Mas eu nunca tinha pensado em fazer um curso de formação e muito menos ser professora! Bom, nunca tinha pensado até aquela noite. Depois dessa meditação eu fiquei muito intrigada e essa ideia não saia mais da minha cabeça.

Isso foi num sábado. Na segunda-feira mandei um e-mail para o Silvio. O Silvio é um professor de yoga de Curitiba que começou um projeto muito legal chamado Yoga No Parque, onde eles se tornaram o maior grupo de aulas gratuitas de yoga do Brasil. Eu amava fazer as aulas no parque e naquele ano, pela primeira vez, eles estavam abrindo turma de formação em yoga. Tudo aconteceu muito rápido. O meu lado racional dizia que eu estava me precipitando em mandar esse e-mail, mas algo dentro de mim falava pra seguir em frente, e seguir rápido! Afinal, o curso já tinha começado e o módulo 02 seria daqui 2 semanas. Escrevi para o Silvio perguntando se eu poderia entrar para o módulo 02 e caso sim, quais eram os dados dele pra eu fazer o depósito… O depósito! Caramba, não tinha pensado nisso, da onde eu ia tirar dinheiro pra fazer aquele curso? Tudo bem que eu estava ganhando mais com o emprego novo, mas agora eu tinha as contas da casa pra pagar! Pensa, pensa, pensa… Enquanto eu esperava a resposta do Silvio, lembrei que eu tinha R$3.500 guardado, exatamente o valor do curso, mas teoricamente eu não podia mexer nesse dinheiro.

Esse dinheiro eu tinha recebido da Caixa Econômica há 1 ano atrás, quando eu mudei da faculdade de Arquitetura pra faculdade de Design de Interiores. Foi uma confusão que aconteceu na época que eles acabaram reembolsando um valor que eu já tinha pago, mas com esse dinheiro em mãos eu deveria guardar pra pagar o meu FIES daqui alguns anos. Eu não deveria tocar nesse dinheiro, tanto que eu nem lembrava que ele existia, mas ao mesmo tempo essa seria a única forma de conseguir fazer o curso de yoga. Dei um salto de fé. Decidi confiar no universo e lá na frente eu iria me virar pra repor o dinheiro. Fiz o depósito e me matriculei no curso.

Eu estava empolgada com a minha decisão, mas a felicidade logo trouxe um outro problema. O curso de yoga era 1 fim de semana por mês e nessa época eu trabalhava nos sábados de manhã. Eu fiz minha matrícula, mas esqueci de antes perguntar pra minha chefe se eu poderia ter 1 sábado livre por mês pra conseguir fazer as aulas. Bom, o curso já estava pago, eu não tinha mais como voltar atrás. Teria que conversar com ela e torcer pra ela topar. No dia seguinte fui trabalhar e trouxe o assunto pra mesa, mas pra minha surpresa ela não ficou nada feliz com essa história. Além de não ter gostado, ela me deu um ultimato: se eu realmente quisesse ter o sábado livre teria que ir trabalhar em outro lugar. Poxa, eram apenas 4 horas no mês! Saí de lá super chateada.

Mas a bem da verdade é que essa história toda foi a gota d’água. Esse trabalho, que no começo era o emprego dos sonhos, com o tempo começou a mostrar a sua face verdadeira. Na entrevista tinham prometido comissões que eu nunca recebi, sempre com uma desculpa diferente. Eu era tão inexperiente na época que não tinha nem assinado um contrato antes de começar a trabalhar! Aquele salário maravilhoso que foi acordado apenas de boca não era nem perto do que eu estava ganhando de verdade. A real é que eu tava bem decepcionada. E quando essa bomba estourou, foi a minha deixa pra cair fora daquele lugar.

Minha nossa senhora! O que que eu ia fazer agora? Acabei de pagar um curso de R$3.500 reais. Saí da casa dos meus pais não fazem nem 2 meses. Estava cheia de contas da casa pra pagar e agora eu não tinha mais emprego. Mas o universo sabe o que faz, e é inacreditável como as coisas acontecem na hora certa…

Memórias de um Sonho na Estrada –
Parte 03

posts relacionados: